Ellodigital

blog article

Instagram sem like: como selecionar influenciadores agora?

O “advento do fim dos likes” chegou ao Instagram Brasil e a quantidade de curtidas de um post deixou ficar aparente para toda a internet e, principalmente, para as marcas que contratam influenciadores.

Com 65% dos jobs com influenciadores acontecendo no Instagram (pesquisa “Creators & Marcas” da YOUPIX Consulting + Brunch Agency 2019) e com a supervalorização das métricas de vaidade como critério de avaliação do poder de influência de alguém, dá pra entender porque o mercado se encontra agitado.

Ó, e agora, como vou escolher meu influenciador se não sei quantas curtidas seus seguidores deixam em seus posts?

Bom, não sei como você faz por aí, mas vou compartilhar aqui, resumidamente, a nossa metodologia de mapeamento estratégico. Primeiro, um mantra pra você repetir no banho em voz alta ou antes de dormir: INFLUÊNCIA NÃO SE COMPRA NA BASE DE NÚMERO!

Muito bem, agora podemos falar sobre 6 coisas mais importantes para avaliar do que número de seguidores… Rola o mouse, ou o dedo! :)

Mapeamento Sem Likes

  1. Valores

Se o propósito e posicionamento do influenciador e de sua comunidade não estão alinhados com o da marca… FUJA! Quando fazemos algum trabalho com um influenciador, nos associamos aos valores desse influenciador e passamos a ser simbolizados por ele. E ele pelos nossos.

  1. Nível de conforto

Você segue a pessoa? Faz parte da comunidade? E a sua marca? Você ficaria confortável em ter o perfil da marca dando follow na pessoa? Compartilhando ou comentando em seus conteúdos? Se sim, passe para a próxima fase. Se não, comece seu mapeamento de novo.

  1. Conteúdo

Conteúdo é a nova influência, é a cola que une o criador à sua comunidade, é a ferramenta que permite que ele crie identificação com sua audiência, que gera oportunidades de conexão. Quantas vezes você parou pra assistir ou consumir o conteúdo do influencer com quem quer trabalhar? Esse conteúdo é relevante dentro da conversa social atual? Tem fit com a marca? É bom? É real? É autêntico?

  1. Engajamento real

O quanto o influenciador está engajado com sua comunidade e vice-versa? Vamos procurar por profundidade e intenção nessa relação. Como descobrimos isso? Olhando pros comentários deixados nos posts: o quanto eles são sobre o conteúdo postado, o quanto o influenciador é capaz de pautar a discussão, qual a qualidade e o grau de positividade dos comentários em relação ao que é postado. Analise o quanto o influencer estimula e faz parte dessa conversa. Lembre-se que influência é sobre a capacidade de fazer uma mensagem circular dentro de determinado grupo.

  1. Morfologia da rede

Muitas vezes, QUEM segue o influenciador é muito mais importante do que QUANTOS o seguem. Qualidade de rede é sempre melhor que a quantidade. Estude a morfologia da rede da pessoa: entenda se ela é seguida por outras pessoas importantes, quantos perfis verificados a seguem, quais desses perfis são estratégicos pra você. O influenciador pode não ter tantos seguidores, mas seus seguidores podem ser pessoas influentes com muitos outros seguidores.

  1. Credibilidade

Porque estamos imersos em um mundo onde as opções são abundantes (consumo, informação, relações, marcas, etc), as pessoas sentem necessidade de se conectar com coisas que tenham significado pra elas e também que sejam CRÍVEIS! Nunca foi tão importante avaliar o nível de credibilidade e autoridade de alguém. Como fazer isso? Procure por fontes que avalizem a autoridade que aquele influencer construiu para além dos posts do Instagram. Ele já saiu na imprensa? Dá palestra? Escreveu livro? Se você der uma Google na pessoa, o que aparece? Tem mais alguém, além dos próprios seguidores, que “atesta e dá fé” que essa essa relevância é real?

A boa notícia é que todos esses itens podem ser “matematificados”. É possível transformar coisas subjetivas em métricas, em pontos ou em índices que te permitam quantificar isso tudo numericamente e tomar decisões com base em dados e não achismos.A boa notícia é que todos esses itens podem ser “matematificados”. É possível transformar coisas subjetivas em métricas, em pontos ou em índices que te permitam quantificar isso tudo numericamente e tomar decisões com base em dados e não achismos. Afinal, se for pra se basear em números, que seja do jeito certo, né?

Fonte