Ellodigital

blog article

Storytelling: envolvendo pessoas e marcas

A atenção das pessoas é o ativo mais importante que uma empresa pode ter atualmente. Mas, na era do excesso de informações, na qual somos bombardeados a cada segundo por uma avalanche de estímulos sensoriais, como fazer para que as pessoas parem por alguns instantes e foquem exclusivamente na mensagem que a minha marca quer transmitir?

A resposta é uma só: contando boas histórias. Histórias impactantes, memoráveis, que gerem conexões emocionais, que façam com que as pessoas se vejam refletidas no protagonista e no enredo. Histórias que tragam o receptor para dentro da jornada, para que ele se sinta parte do contexto, defendendo, como um herói, seus valores, sua missão, seu ponto de vista.

Uma boa história humaniza a marca, gera empatia, traz o consumidor para perto. Ela passa a enxergar a marca como uma amiga, alguém em quem pode confiar e que existe para solucionar seus problemas, agregar valor à sua vida.

Toda empresa ou marca tem uma história para contar. A diferença é que algumas se sobressaem pelo jeito como a história é contada. Para isso eles usam os recursos do storytelling.

O que é Storytelling

O storytelling é um método que se vale de narrativas aplicadas em palavras ou recursos audiovisuais para transmitir um conceito. Ele tem sido bastante utilizado no marketing como meio de promover a marca sem vender diretamente. É uma excelente ferramenta para compartilhar conhecimento e atrair pessoas para a marca.

 

A boa história fica impregnada na mente, pois consegue ativar uma parte do cérebro que o ajuda a entender melhor o seu conteúdo. Com isso, gatilhos mentais são ativados num processo emocional que faz com que ele se identifique, se conecte com sua solução e é influenciado na tomada de decisão, aumentando as chances de fechar uma venda.

Uma boa história possui a capacidade de inspirar as pessoas, diferente de fatos ou informações isoladas. Além disso, histórias aguçam a curiosidade, o que nos faz direcionar a nossa atenção para ouvir e entender melhor o que está sendo falado.

O estreitamento da relação entre as duas partes envolvidas no processo gera o engajamento necessário para alavancar vendas de uma maneira indireta, subjetiva e muito mais emocional.

Como usar o storytelling para conectar minha marca às pessoas?

1) Conheça seu público e crie um protagonista com o qual ele se identifique

Todos nós podemos nos identificar com histórias, sobretudo aquelas cujos protagonistas se parecem conosco. Portanto, crie um personagem principal que se assemelhe com a sua audiência, que tenha problemas e objetivos parecidos.

2) Começo, meio e fim

Ao criar uma história, ela precisa ter início, desenvolvimento e conclusão e todas as etapas precisam estar bem conectadas até a chegado do clímax. Por exemplo: ao contar um case de sucesso, comece pelas dificuldades que o cliente (protagonista da história), tinha, como foi o envolvimento com você e como a sua solução deu a ele um final feliz.

 

3) A força do antagonista

Um bom protagonista precisa de um bom antagonista. O antagonista não precisa ser um personagem, pode ser um desafio, um problema, uma meta. Exemplo: A empresa X tinha os melhores produtos, mas não conseguia vende-los; para não ser fechada ela tinha 30 dias para achar uma solução e vender todo o estoque. O antagonista aqui é o fato de não vender o produto e ter 30 dias para achar uma solução. Perceba que a dificuldade vai enaltecer ainda mais os atributos do protagonista.

4) Engaje e inspire

Ao contar uma história, você transmite um ensinamento e motiva seu público a fazer o mesmo. Por isso, mantenha uma boa comunicação durante a narrativa de modo que as pessoas se sintam inspiradas a fazer o mesmo que fez o personagem da história.

5) Duração da história

Mesmo que a sua história seja muito interessante, ela se tornará cansativa se for longa demais. Afinal, a pessoa que está ouvindo pode acabar desviando a atenção e não fazer o que a sua história está propondo.

Busque personagens em lugares incomuns: há histórias maravilhosas que precisam ser contadas e muitas vezes elas estão bem perto de nós

Fonte